quarta-feira, 28 de junho de 2017

Judas Temer racha até a maçonaria

Por Altamiro Borges

Na cavalgada pelo impeachment de Dilma Rousseff, a maior parte da maçonaria nativa - que se diz uma "sociedade secreta" - deixou de lado as catacumbas e participou ativamente da onda golpista. Várias de suas "células" reforçaram as marchas organizadas por seitas fascistas, como o Movimento Brasil Livres (MBL) e o Vem Pra Rua. Empresários maçons ajudaram a financiar a cruzada falsamente moralista. Concretizado o assalto ao poder pela quadrilha de Michel Temer, a situação parece que se embaralhou. Setores menos fundamentalistas da "sociedade secreta" agora erguem sua voz contra o Judas e suas maldades. Nesta semana, uma "célula" intitulada "Maçons Progressistas do Brasil" lançou um manifesto em apoio à greve geral marcada para sexta-feira (30) e em repúdios as contrarreformas trabalhista e previdenciária do governo ilegítimo. Vale conferir:

Temer está “irritado” com o golpista FHC

Por Altamiro Borges

Temendo o rápido desgaste eleitoral do PSDB e o agravamento da crise política, o grão-tucano FHC defendeu nesta segunda-feira (26), em artigo publicado na Folha, a renúncia de Michel Temer. Após incensar a cruzada golpista que resultou na chegada ao poder da quadrilha do Judas, o “príncipe da privataria” decidiu abandonar a “pinguela” do PMDB. O texto causou mal-estar entre ministros e governadores da sua própria sigla fisiológica e “irritou” o usurpador. Ditatorial e vingativo, o Judas Michel Temer parece não gostar de traições alheias e inclusive insinua que poderá adotar represálias contra os seguidores de FHC – o que só evidencia o desespero do covil golpista.

Temer, Aécio, Moro e a miséria da política

Por Tânia M. S. Oliveira, no site Brasil Debate:

“A história nos permite sermos responsáveis não por tudo, mas por alguma coisa.” (Snyder, Timothy: Sobre a Tirania)

A contemporaneidade no Brasil tem velocidade Twitter: o que é pra ser já foi. O ritmo frenético com que as coisas acontecem assume o formato da aparência de normalidade que o governo que ninguém mais reconhece tenta fazer valer para aprovar suas reformas no Congresso. A popularidade de Temer é a menor de um presidente em exercício nos últimos 28 anos, segundo a pesquisa Datafolha divulgada no sábado (24). A par disso, da iminência de abertura de uma ação penal contra o presidente, e dos vexames nas viagens internacionais, não há tolhimento das práticas do governo que se adornou do poder, mas ao oposto. O uso de chantagens com cargos públicos e ameaças a parlamentares para que votem os projetos são acirrados e divulgados na imprensa como algo legítimo e banal. Após a derrota do governo na votação da Reforma Trabalhista na Comissão de Assuntos Sociais do Senado na terça (20), uma avalanche de exonerações e nomeações se seguiu na Esplanada dos Ministérios.

A revolução dos 'patos amarelos'

Por Fuad Faraj, no site Justificando:

Nine, a caçada ao Molusco Vermelho é cartaz de grande sucesso há mais de 3 anos na República de Curitiba. Nine Fingers é o inimigo a ser abatido num processo penal em que o Juiz escalado para o condenar é retratado como seu Antagonista nas capas das revistas de fim de feira. Sua leitura é deglutida em roupa domingueira entre uma garfada de fraldinha na mostarda e um gole da cerveja “gormete” do momento. Ruim, choca, caríssima, mas “artesanal”, ainda que fabricada em escala industrial. A perfeita cerveja do otariado arrivista. Arrotos cerimoniosos, contidos, entre gente viajada, made in miami, limpinha e refinada, prefaciam uma rodada a mais de vitupérios inflamados contra quem teria inaugurado nesta terra conquistada dos índios em 1500 toda a sorte de iniquidades.

A “crise” da Previdência é mais uma balela

Por Cesar Locatelli, no site Jornalistas Livres:

A maioria de nós, quando imagina o que é a Previdência Social, pensa em uma caixa ou em um fundo de investimentos, onde é guardado nosso dinheiro, que recolhemos enquanto estamos na ativa como trabalhadores, para quando estivermos mais velhos podermos recebê-lo de volta na forma de aposentadoria.

Alguns também acreditam que a Previdência Social é como uma seguradora, em que muitos pagam para garantir o “seguro” ou a aposentadoria daqueles que já atingiram certo tempo de contribuição ou certa idade.

Dentro dessas ideias está embutida a noção de que é preciso contribuir para formar uma “poupança” para ter direito a receber no futuro. Mais ainda, está implícito que se a “poupança” for insuficiente haverá uma “crise”, pois não será possível pagar de volta os trabalhadores que se aposentam. A não ser que o governo resolva assumir “deficits” astronômicos para sustentar os velhos.

A roleta suspeita dos sorteios do Supremo

Por Luis Nassif, no Jornal GGN:

Vamos a uma análise probabilística, tão ao gosto dos procuradores midiáticos.

Para avaliarmos a extraordinária coincidência dos processos de José Serra e Aloysio Nunes caírem com o Ministro Gilmar Mendes e o de José Serra com Alexandre de Moraes, o roteiro é o seguinte:

O STF (Supremo Tribunal Federal) tem 11 Ministros:

1. Ministro Roberto Barroso

2. Ministro Marco Aurélio

3. Ministro Luiz Fux

4. Ministra Rosa Weber

5. Ministro Alexandre De Moraes

6. Ministro Gilmar Mendes - Presidente

7. Ministro Celso De Mello

8. Ministro Ricardo Lewandowski

9. Ministra Cármen Lúcia

10. Ministro Dias Toffoli

11. Ministro Edson Fachin

A depressão pós-golpe

Acuado, Temer resolve atacar Janot

Do site Vermelho:

Diante da denúncia feita pela Procuradoria-Geral da República (PGR), Michel Temer resolveu se explicar por meio de um pronunciamento feito nesta terça-feira (27). Tentando mostrar que ainda tem um governo, Temer elencou argumento jurídicos para apontar uma suposta força política. No auge do cinismo, Temer disse que está “recolocando o país nos trilhos”, e que por isso tem sido “vítima dessa infâmia”, e afirmou ainda que não sabe como “Deus o colocou na presidência', ignorando o golpe parlamentar que tirou Dilma Rousseff do poder.

Com o governo enfraquecido e uma defesa frágil, Temer disse que tem conhecimento jurídico – já que sua formação é em direito e foi professor de Direto Constitucional –, para dizer que as provas são juridicamente frágeis.

O faz-de-conta de FHC e de Moro

O retumbante fracasso do golpe

Por Pedro Breier, no blog Cafezinho:

Um amigo que apoiou o impeachment me disse, resignado, alguns dias atrás: “foi golpe mesmo”.

Um conhecido pediu desculpas públicas hoje, em sua página do Facebook, às pessoas com quem ele discutiu defendendo o impeachment. “Eu preciso admitir que a palavra golpe é a melhor definição para a queda da Dilma”, escreveu.

As provas contra os bandidos que assaltaram o poder, especialmente contra Temer, que aparentemente vai morrer abraçado à cadeira onde nunca deveria ter sentado, estão fazendo as pessoas acordarem do torpor a que foram induzidas pelo massacre midiático liderado pela Globo.

O retumbante fracasso do golpe é um fato consumado.

Lista tríplice da PGR empareda Temer

Por Daniel Giovanaz, no jornal Brasil de Fato:

O vice-procurador-geral eleitoral Nicolao Dino foi o mais votado pelos colegas para assumir a Procuradoria-Geral da República (PGR), em substituição a Rodrigo Janot. Uma lista tríplice, com o nome de Dino e dos outros dois membros do Ministério Público mais lembrados na eleição desta terça-feira (27), será entregue ao presidente Michel Temer (PMDB) pela Associação Nacional dos Procuradores da República (ANPR). Raquel Dodge e Mario Bonsaglia integram a lista de sugestões, e também são cotados para assumir a PGR em setembro.

A "vitória" de Nicolao Dino foi considerada uma surpresa, e uma derrota para os aliados de Temer. Afinal, ele pertence à mesma ala de Rodrigo Janot, atual procurador-geral, que trava uma disputa histórica com o presidente golpista devido às denúncias da operação Lava Jato. Raquel Dodge era considerada a candidata favorita, além de ser a preferida das lideranças do PMDB.

Temer X Janot e Lula X Moro

Por Ricardo Kotscho, em seu blog:

Chegou a hora do vale-tudo na guerra aberta entre o Judiciário e a classe política.

As defesas de Temer e Lula resolveram partir para o ataque contra seus acusadores Janot e Moro, respectivamente.

Rodrigo Janot denunciou Michel Temer por corrupção na segunda-feira.

A qualquer momento, Sergio Moro pode anunciar a sentença de Lula também acusado de corrupção.

Ao povo, nas arquibancadas, dividido e atônito, só resta torcer por um lado ou outro, sem influir no resultado, como os gandulas.

terça-feira, 27 de junho de 2017

Depois de Temer, Lula será o próximo

Por Paulo Moreira Leite, em seu blog:

Nem é preciso refletir mais do que um minuto para admitir que só pode haver alguma coisa errada numa festa que reunisse João Roberto Marinho e Luiz Inácio Lula Silva, Fernando Henrique Cardoso e João Pedro Stédile, Roger e Wagner Moura: a queda provável de Michel Temer em ambiente de carnaval cívico.

Concordo que é preciso ter clareza sobre um ponto. A julgar pelo que se pode ler nos jornais e na TV, não há dúvida que foram reunidas provas consistentes contra Temer, que pronunciou uma dessas frases de tom grandioso, sob medida para momentos desesperados: "Nada nos destruirá".

As bases da acusação de Janot contra Temer

Da revista CartaCapital:

Nas 60 páginas da denúncia por corrupção passiva que apresentou ao Supremo Tribunal Federal (STF) contra Michel Temer, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, busca conectar dois conjuntos de fatos para provar a culpa do presidente. O primeiro envolve a negociação da propina semanal feita entre representantes do grupo J&F, de Joesley Batista, e Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR). O segundo conjunto compõe o estreito relacionamento entre Loures e Temer. Para Janot, há evidências de que, ao pedir e receber propina, Loures estava atuando em nome de Temer.

'Fora Temer' tem data marcada para acontecer

Por Jeferson Miola

A denúncia oferecida pela Procuradoria-Geral da República ao Supremo Tribunal Federal contra Michel Temer pelo crime de corrupção contém uma contundência e gravidade tais que limita as possibilidades de sobrevivência do presidente usurpador e da sua quadrilha.

Dessa maneira, a primeira das quatro denúncias do Temer ao STF – além de 1.corrupção, em seguida ele será denunciado por 2.organização criminosa, por 3.obstrução de justiça e por 4.prevaricação – é um fator que contribui para a abreviatura desta tragédia que ele representa na história do Brasil.

Já na primeira denúncia Temer fica emparedado entre três alternativas: ou renuncia, ou se suicida, ou é convertido em réu pela Câmara dos Deputados. Poderá ocorrer, obviamente, a ocorrência simultânea de duas entre as três alternativas.

O desembarque do PSDB é questão de dias

Por Fernando Brito, no blog Tijolaço:

É muito difícil, mesmo com a hegemonia paulista incontrastável dentro do PSDB, que Geraldo Alckmin consiga voltar a adiar o desembarque dos tucanos da nau furada de Michel Temer.

As consequências eleitorais de seu apoio a um presidente que consegue ir abaixo do chão em matéria de respeito público – já nem se fala em em popularidade – estão se tornando desastrosas e serem aqueles que “apagam a luz” ainda pode limpar minimamente a cara tucana.

Na Câmara, onde será julgada a denúncia de Janot, a situação é pior ainda que a do Senado, onde os votos que se quer são os coerentes com a índole antitrabalhista do partido, na reforma da CLT, que – graças ao apoio da mídia – não lhes trará maior desgaste.

Dez razões para Moro não condenar Lula

Do site Lula:

A equipe de procuradores da Lava Jato liderados por Deltan Dallagnol acusa Lula de ter recebido um apartamento no Guarujá e o armazenamento do acervo presidencial entre 2011 e 2016 em troca de 3 contratos da Petrobras onde teria havido desvio de recursos. Entenda porque a acusação é absurda em cada uma dessas afirmações e porque uma condenação de Lula é impossível de ser feita dentro da lei:

1- Porque até o Ministério Público admite não ter provas contra Lula e pede que ele seja condenado a revelia da lei

O próprio Ministério Público admite em sua peça final não ter provas contra Lula. Pedem então que os conceitos de prova e de "ato de ofício" (ou seja o ato de corrupção pelo qual Lula estaria sendo julgado) sejam relativizados, e que se use de "responsabilidade penal objetiva" para condenar Lula. Diz que é "difícil provar" os crimes. Cita sete vezes como literatura jurídica para justificar suas teses, obras do próprio Deltan Dallagnol que defendem o uso de indícios, provas indiretas, e relativização da garantia da presunção de inocência, com o objetivo de condenar mesmo quando não se tem prova da culpa. Em suas obras, Dallagnol diz que julgar é um ato "de fé", e que "provar é argumentar" !?!

Os custos do funeral de Michel Temer

Por Tereza Cruvinel, em seu blog:

Temer é um zumbi que o Brasil precisa mandar logo para o mundo dos mortos. Agora ele vai, pisou no próprio feitiço. Temer só não cairá se as leis fundamentais da política tiverem sido revogadas e se não restar ao país o mais tênue compromisso com a decência. Ao fatiar a denúncia que apresentou ao STF contra ele, o procurador-geral Rodrigo Janot deu-lhe um nó triplo: ainda que a maioria da Câmara perca completamente a vergonha e negue licença ao STF para processá-lo por corrupção passiva, outras duas denúncias terão que ser apreciadas. Uma por obstrução da Justiça, outra por participação em organização criminosa. Mas quanto custaria ao Brasil a travessia desta via crucis que pode consumir todo o resto do ano e talvez até entrar pelo próximo adentro? Para reduzir os danos de uma sangria prolongada é que agora o tempo ritual deve ser aproveitado para a construção de uma saída democrática e politicamente sustentável para a crise em os autores do golpe de 2016 jogaram o país.

Bye, bye, Brasil

Por Saul Leblon, no site Carta Maior:

A elite se entediou do Brasil.

Economistas de bancos, gente bem sucedida de berço, executivos prestigiados estão se desfazendo de ativos e participações no país e rumam para temporadas sabáticas no exterior.

O comboio classe A reedita no ‘formato pessoa física’ o percurso que o patrimônio, o chamado dinheiro grosso, sempre fez e continua a fazer.

A explicação para o enfado é a resiliência dos impasses que o golpe tarda a resolver.

Nada contra o golpe, a nonchalance é ... com o Brasil.

O país secularmente marcado por crises recorrentes, desta vez não parece reunir tônus para superar seus gargalos.

Skaf é a cara escarrada do desastre do golpe

Por Kiko Nogueira, no blog Diário do Centro do Mundo:

No futuro - e eu me refiro a amanhã, mesmo -, cientistas estudarão as ruínas dessa república de bananas e verão imagens de milhares de otários em torno de um pato amarelo.

- Quem estava por trás do animal?, perguntará o doutor Jones.

- Um industrial sem indústria chamado Paulo Skaf, responderá a doutora Francesca.

Em entrevista ao Estadão, Skaf falou que “não cabe à Fiesp falar sobre renúncia de Presidente da República, mas defender a retomada do crescimento do País e soluções para os 15 milhões de pessoas que estão sem emprego. Cabe à Fiesp defender reformas estruturais para recuperar a competitividade”.

Ação contra Temer e os golpistas da Câmara

Por Eduardo Guimarães, no Blog da Cidadania:

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, denunciou o presidente Michel Temer e seu ex-assessor Rodrigo da Rocha Loures ao Supremo Tribunal Federal na última segunda-feira (26), sob acusação de corrupção passiva. Veja a íntegra da denúncia [aqui].

A partir de agora, o ministro Edson Fachin, relator do inquérito no STF, deve decidir quando enviará a denúncia à Câmara dos Deputados, que precisa dar o aval para o Supremo decidir se abre ou não um processo contra o presidente. Para a autorização ser aprovada, são necessários os votos de pelo menos 342 deputados.

João Vaccari e a derrota de Moro


A 8ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) absolveu, em julgamento encerrado hoje (27), por dois votos a um, o ex-secretário de Finanças e Planejamento do PT João Vaccari Neto. Em nota, a presidenta nacional do partido, senadora Gleisi Hoffmann (PR), afirmou que a decisão "mostra o cuidado que deveria ser tomado pelas autoridades antes de aceitarem delações premiadas que não são acompanhadas de provas".

A senadora petista diz que a decisão do TRF-4 chama a atenção quanto ao "uso abusivo de prisões preventivas, que submetem, injustamente, pessoas à privação de liberdade". Vaccari está preso por determinação do juiz de primeira instância Sérgio Moro desde abril de 2015.

Temer e o golpe do veneno

Por Márcia Lia, na revista Fórum:

O primeiro desafio no que diz respeito aos agrotóxicos é conseguirmos explicar às pessoas que eles se relacionam com uma imensa cadeia socioambiental. Afetam o meio ambiente, a agricultura, as relações sociais, a economia e a saúde pública. A política condescendente aos agroquímicos é parte de um jogo político que só beneficia meia dúzia de gigantes produtores enquanto criminaliza os movimentos sociais. O desmonte do Ministério do Desenvolvimento Agrário, junto à PEC 215 e o fortalecimento da bancada do ruralista deixam claro o que eles querem.

segunda-feira, 26 de junho de 2017

Lula X Moro: O documentário

FHC exige a renúncia de Temer. Hipócrita!

Globo tornou-se ameaça à soberania nacional

Por Luis Nassif, no Jornal GGN:

A título de introdução – o que estava em jogo

Como abordamos em vários Xadrez, havia um mundo em transformação, a China e os BRICs irrompendo como poderes alternativos, a crise de 2008 comprometendo o modelo neoliberal. Ao mesmo tempo, uma acomodação da socialdemocracia nos anos de liberalismo, queimando-a como alternativa econômica.

Por seu lado, os Estados Unidos garantiam seu papel hegemônico no campo financeiro e nas novas tecnologias de informação, já que a manufatura se mudou para a Ásia.

É nesse contexto que, a partir de 2002, monta-se uma nova estratégia geopolítica fundada no combate à corrupção. Envolvem-se nela o Departamento de Estado, as instituições de espionagem (CIA e NSA), os órgãos policiais (FBI e Departamento de Justiça) e as ONGs ambientais e anticorrupção.

Só os patrões querem a reforma trabalhista

Do site do Diap:

Mais de 135 mil internautas responderam à enquete do Senado sobre a reforma trabalhista apresentada pelo governo Michel Temer. Desses, até o momento, 95,7% defendem que o projeto deve ser rejeitado.

O Projeto de Lei da Câmara (PLC 38/17) está, agora, sob a análise da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), depois de ter sido rejeitada pela Comissão de Assuntos Sociais da Casa.

O projeto apresentado pelo governo prevê, entre outras medidas, a prevalência do negociado sobre o legislado, ameaçando direitos trabalhistas consagrados pela lei. Leia mais

Novas regras para criminalidade financeira

Por Guilherme C. Delgado, no site Carta Maior:

Publiquei em março de 2016 um artigo sobre alta criminalidade financeira, a partir de uma investigação da Receita Federal (SP), que detectava lavagem de dinheiro realizada por treze bancos instalados no Brasil, relativamente a contratos de terceiros com a Petrobrás no valor de 15 bilhões de dólares. A análise de então estava apoiada em matéria publicada no jornal “O Estado de S. Paulo”, de 11 de janeiro de 2016.

A investigação preliminar da Receita Federal, apontando indícios fortes de lavagem de dinheiro, sonegação tributária e evasão de divisas, segundo o jornal, foi remetida então (janeiro de 2016) aos promotores curitibanos da Lava Jato. E, desde então, nem o jornal citado, nem o restante da imprensa acompanharam os fatos, que pelo silêncio também dos procuradores de Curitiba provavelmente entraram numa agenda de baixa prioridade investigativa.

Max Weber e a coragem para absolver

Por Tarso Genro, no site Sul-21:

A viagem do Presidente Temer, cercada de inoperância e desprestígio político, o arquivamento preliminar da representação contra o Senador Aécio na Comissão de Ética do Senado, os dados do desemprego e do aumento da informalidade no país, são fatos significativos da crise que nos assola, que podem nos levar a uma situação limite, se Temer não sair do Governo, quando emergir o próximo episódio: a sentença do Juiz Moro — sobre Lula — no caso do “Triplex”, um processo que é um fracasso probatório, mas que obteve um certo sucesso midiático na tentativa de fulminar o prestígio político do ex-Presidente.

Os últimos pregos no caixão de Temer

Por Miguel do Rosário, no blog Cafezinho:

A capa do Globo de hoje poderia levar um analista afoito a afirmar, pela enésima vez, que “o governo Temer acabou”, ou, para ser mais dramático, que “o governo Temer morreu”.

Entretanto, a afirmação, mesmo correta, levaria a uma falsa conclusão, porque o governo Temer, como se sabe, já nasceu morto. É um governo de morto-vivos, controlado remotamente por articulações entre barões de mídia, a alta burocracia, banqueiros e empresários.

Estando morto, o governo Temer não pode ser morto, da mesma forma que não se pode assassinar um cadáver.

Entretanto, mesmo morto, o governo Temer… resiste, administra, nomeia e demite, e continua liderando o mais brutal e acelerado processo de desmonte do Estado da nossa história.

A agenda e as pautas da greve geral

Por Rafael Tatemoto, no jornal Brasil de Fato:

A greve geral convocada pelo conjunto das centrais sindicais brasileiras, prevista para a próxima sexta-feira (30), será acompanhada por atos de rua em todo o país, chamados por centrais sindicais. As manifestações também contarão com o apoio e mobilização das frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo.

Em São Paulo (SP), a atividade deve ocorrer na Avenida Paulista, a partir das 16h. Ao menos outros dois estados já marcaram atividades semelhantes. Em Belo Horizonte (MG), a manifestação ocorre às 9h na Praça da Estação. Já em Porto Velho (RO), será realizada às 8h na Praça Três Caixas D’Água. Em Fortaleza (CE), acontece às 9h na Praça da Bandeira.

Lula e Bolsonaro sobem; o PSDB encolhe

Por Ricardo Kotscho, em seu blog:

O deputado federal Jair Bolsonaro (PSC), ex-militar candidato da extrema-direita, engoliu os presidenciáveis do PSDB na disputa pelo segundo lugar, enquanto o ex-presidente Lula sobe e segue líder disparado em todos os cenários de primeiro turno para 2018.

Ao mesmo tempo, o PT volta a crescer e chega a 18% na preferência dos eleitores, enquanto o PSDB encolhe para 5%, ao lado do PMDB, os principais partidos da aliança governamental.

Este é o resumo da ópera da nova pesquisa Datafolha divulgada nesta segunda-feira, a primeira após as delações da JBS.

Com Aécio na fogueira, o PSDB se divide

Por Rodrigo Martins, na revista CartaCapital:

"Longe das benesses oficiais, mas perto do pulsar das ruas." A epígrafe que figura na abertura do manifesto de criação do PSDB tem sido evocada por um crescente número de militantes tucanos para constranger a cúpula do partido, cada vez mais cindido.

Dissidentes do PMDB de José Sarney e Orestes Quércia, os fundadores da legenda, nascida em 25 de junho de 1988, diziam-se “chocados com o espetáculo do fisiologismo político e da corrupção impune” vivenciado pelo Brasil à época e “desiludidos com o governo que deixou de se constituir o primeiro da Nova República, preferindo fazer-se o último da Velha República”.

Confirmado: FHC tem medo do povo

Por Paulo Moreira Leite, em seu blog:

Fernando Henrique Cardoso tem toda razão ao repetir, em artigo de hoje na Folha, que é preciso antecipar eleições diretas para presidente.

Mas está inteiramente errado em resumir essa proposta a um apelo para que Michel Temer renuncie ao cargo, abrindo caminho para diretas-já. FHC é o primeiro a saber que isso não vai acontecer.

Apresentando a renuncia como a única saída possível, Fernando Henrique assume a postura de quem deixa o destino da democracia nas mãos de Temer - e só dele.

Faz mais. Diz que "qualquer tentativa" para se interromper o mandato previsto para encerrar-se em janeiro de 2019 "soará como golpe." Ou seja: não vale nem a batalha legal e legítima de aprovar uma emenda no Congresso, iniciativa em curso há muito tempo, inclusive por aliados de longa data do PSDB.

Moro condena Palocci e se prepara para Lula

Por Fernando Brito, no blog Tijolaço:

Sérgio Moro, o juiz da sentença pronta antes mesmo de começado o processo, anunciou a pena imposta ao ex-ministro Antonio Palocci: 12 anos e dois meses de prisão.

Levou dez dias para cumprir a formalidade de agregar trechos das alegações finais apresentadas por Palocci que, evidentemente, não vêm ao caso, exceto para cumprir tabela.

É provável que, portanto, anuncie a condenação de Lula que só não está em papel amarelado pelo tempo porque escrita no computador.

Karl Marx, quem diria, já pode voltar

Por Vicenç Navarro, no site Outras Palavras:

Uma das colunas mais conhecidas da revista semanal The Economist, a Bagehot (que tem como responsável Adrian Wooldridge) publicou, na edição de 13 de maio, um artigo que seria impensável encontrar nas páginas de qualquer revista econômica de orientação igualmente liberal, na Espanha [ou no Brasil].

Sob o título “O momento marxista” e o subtítulo “Os trabalhistas têm razão: Karl Marx tem muito a ensinar aos políticos de hoje”, Bagehot analisa o debate entre o dirigente do Partido Trabalhista do Reino Unido, Jeremy Corbyn, e seu ministro sombra da Economia e Fazenda, o John McDonnell, por um lado, e os dirigentes do Partido Conservador e os jornais conservadores Daily Telegraph e Daily Mail, por outro. Definir esse diálogo como debate é, sem dúvida, excessivamente generoso por parte da coluna Bagehot, pois a resposta dos jornais conservadores e dos dirigentes conservadores aos dirigentes trabalhistas é uma demonização tosca, grosseira e ignorante de Marx e do marxismo, confundindo marxismo com stalinismo, coisa que também acontece constantemente nos maiores meios de comunicação, em sua maioria de orientação conservadora ou neoliberal.

As pernas cortadas da nossa democracia

Por Marcelo Zero, no site Brasil Debate:

Michael Moffitt ouviu um chiado estranho, como de água caindo em um fio desencapado, e viu um intenso clarão branco.

A violenta explosão, porém, não o feriu com gravidade. Ele conseguiu se arrastar para fora do carro, um Chevrolet branco, pela janela traseira, completamente estilhaçada, a tempo de ver sua mulher, Ronni Moffitt, saindo pela porta parcialmente arrancada do banco do carona. Pensando que a sua esposa, com quem se casara há apenas quatro meses, estava bem, sua atenção dirigiu-se ao motorista.

Quem dirigia era um homem de 44 anos, forte, um tanto calvo e com um vasto bigode. Michael e sua esposa o conheciam bem, pois trabalhavam sob seu comando no Institute for Policy Studies (IPS) e no Transnational Institute (TNI), organizações dedicadas à luta pelos direitos civis. No entanto, ao sacudir o corpo do motorista, Michael notou algo estranho: as pernas de Orlando Letelier já não estavam mais lá.

domingo, 25 de junho de 2017

Apesar da mídia, economia gera pessimismo

Por Altamiro Borges

Bem que a mídia chapa-branca, nutrida com milhões em publicidade, tentou criar um clima de otimismo na sociedade. Ela garantiu que bastava derrubar a presidenta Dilma Rousseff para a economia voltar a crescer, gerando emprego e renda para os trabalhadores. Os famosos urubólogos da imprensa venal, que antes só davam notícias negativas, viraram otimistas de plantão, apostando todas suas fichas no sucesso da equipe econômica do Judas Michel Temer. Este esforço, porém, foi em vão – dava até para o golpista pedir de volta dos mercenários a grana dos anúncios. Segundo a pesquisa Datafolha divulgada neste domingo (25), a maioria dos brasileiros segue pessimista com relação à economia.

FHC ironiza o “prefake” João Doria

Por Altamiro Borges

O “prefake” João Doria, com seu estilo marqueteiro de governar São Paulo, não está agradando nem os tucanos históricos. Nesta sexta-feira (23), durante uma palestra para empresários do setor médico em um hotel na Zona Sul da capital paulista, o principal mentor intelectual do PSDB, o velhaco FHC, ironizou a gestão do novato no ninho. Segundo relato da insuspeita rádio Jovem Pan, “o ex-presidente da República disse que não viu ainda muitas realizações de João Doria Júnior, mas ressaltou que ele é bom em utilizar redes sociais e celulares. ‘Isto aqui [celular] está no meu bolso, não na minha alma. O mundo hoje tem isso aqui na alma. O prefeito está fazendo algum sucesso porque manipula isso aqui o dia inteiro. Ele mudou alguma coisa? Eu ainda não vi. Mas [mexer] aqui ele sabe’, afirmou”.

Preso do MBL vai delatar seus financiadores?

Por Mauro Donato, no blog Diário do Centro do Mundo:

Quem procura, acha. Depois de tanto tempo se infiltrando em manifestações e fazendo provocações grosseiras para registrá-las em vídeo, Arthur Moledo Do Val, mais conhecido como MamãeFalei, encontrou gaúchos sem paciência para suas cretinices.

Acompanhado de dois ‘seguranças’, MamãeFalei foi a um protesto de municipários que estão contra o parcelamento de seus salários e contra o aumento da alíquota de contribuição à Previdência.

Longe de seu berço, MamãeFalei foi acompanhar essa manifestação que ocorria em Porto Alegre, em frente à Prefeitura. Cansados das babaquices do integrante do MBL (Movimento Brasil Livre), os servidores públicos confrontaram o youtuber pelas filmagens.

Gilmar, Aécio e os "sorteios" no STF

Por Eduardo Guimarães, no Blog da Cidadania:

Está ficando claro para todos os brasileiros como a Justiça trata políticos de forma diferente de acordo com a filiação partidária de cada um. O caso mais emblemático é o de Aécio Neves. Há pouco mais de um mês, o país ouviu, estarrecido, o tucano confessar vários crimes. Qualquer pessoa nessa situação teria sido presa em flagrante. Mas Aécio não é qualquer pessoa.

E quando digo “qualquer pessoa”, incluo pessoas com foro privilegiado.

Tanto o senador tucano Aécio Neves quanto o ex-senador petista Delcídio do Amaral foram pegos em flagrante confessando atos criminosos. Adivinhe, leitor, qual dos dois foi preso e qual ficou livre como um pássaro.

Impunidade nos 12 anos do 'mensalão tucano'

Por Helena Sthephanowitz, na Rede Brasil Atual:

Se o chamado "mensalão do PT" fez os jornalões criarem manchetes espetaculosas, analistas e colunistas fazerem ilações à vontade e foi assunto interminável nos meios políticos e jurídicos, o mensalão tucano, – apesar de ter menos réus e mais amigos no STF – ganhou da mídia tradicional o apelido de "mensalão mineiro", para descolar o caso do envolvimento de figuras do PSDB. Mesma mídia que varreu o escândalo para debaixo do tapete. Pois o mensalão tucano segue parado na Justiça confirmando o receio de todos os que esperam do Judiciário uma atuação imparcial, pouco importando para o desfecho do processo as características pessoais do réu – como sua filiação partidária. 

Liberdade para o preso político João Vaccari

Por Bepe Damasco, em seu blog:                                                                            
Nas masmorras da Lava Jato, na República de Curitiba, mofa o bancário João Vaccari Neto, ex-dirigente da CUT e do PT. Condenado pelo juiz Sérgio Moro apenas com base em delações, Vaccari, encarcerado há mais de dois anos, dá seguidos exemplos de dignidade e honradez, se negando a entrar para a história como alcaguete.

Vaccari é o único ex-tesoureiro de partido preso, embora as fontes de arrecadação de todas as agremiações partidárias tenham sido rigorosamente as mesmas durante o período em que a legislação permitia o financiamento empresarial. Mas, por ser do Partido dos Trabalhadores, só a sua torneira é considerada suja. As demais são limpinhas e transparentes.

As estranhas palestras de Moro e Dallagnol

Por Luis Nassif, no Jornal GGN:

Um novo fato volta a chamar atenção à cúpula que coordena a Operação Lava Jato. Há alguns dias começou a rodar no Twitter um post com a imagem de um site de palestras vendendo apresentações do procurador Deltan Dallagnol, que por sua vez vende em suas palestras conteúdo público, levantado no trabalho público que realiza na Lava Jato.

O Twitter viralizou, levando Dallagnol a usar sua conta pessoal no Facebook para desmentir o objetivo de lucro das palestras, deixando-o em uma situação complexa. Dallagnol dizia no texto que, por modéstia, não tinha divulgado que todo o dinheiro da palestra ia para uma grande causa, que era financiar ações do tipo Lava Jato.

As velhas malandragens do 'Jornal Nacional'

Do site Lula:

O Jornal Nacional contatou a assessoria do ex-presidente Lula às 20:31, com o telejornal já no ar. Quando a matéria foi exibida, minutos depois, disseram que não houve pronunciamento por parte do ex-presidente. O cenário do JN pode ser novo e cheio de tecnologia. Mas o jornalismo da Globo continua parcial e manipulador como nos comícios das Diretas, em 1984, ou no debate de 1989.

Segue abaixo a nota enviada e não lida pelo telejornal da família Marinho.

Moro, Lava Jato e os interesses dos EUA

Por Cesar Locatelli, no site Jornalistas Livres:

O juiz Sérgio Moro é louvado em verso e prosa pelos meios de comunicação tradicionais, nacionais e estrangeiros. Foi “personalidade do ano” pelo Globo, esteve entre “as 100 personalidades mais influentes” da revista Time, alçado à condição de 13o entre “os maiores líderes mundiais” pela revista Fortune e 10o entre os mais influentes da agência de notícias financeiras Bloomberg.

O que teria levado o juiz federal ao estrelato? Que apoios teria acumulado para se tornar uma quase unanimidade internacional? Certamente muitos se apressarão em concluir que foi seu trabalho destemido e incansável contra a corrupção. No entanto, outros tentaram e não tiveram sucesso com seus processos, nem tampouco viraram ídolos mundiais, muito ao contrário.

Vexames marcam turnê europeia de Temer

Por João Filho, no site The Intercept-Brasil:

Com 2% de popularidade e prestes a ser denunciado pela Procuradoria-Geral da República por corrupção passiva, organização criminosa e obstrução à Justiça, o presidente ilegítimo Michel Temer saiu em nova turnê internacional. A primeira, em outubro do ano passado, quando visitou a China e a Índia, foi um deprimente festival de vexames. O momento mais triste foi quando Temer, mais “falastrão” que Josley, narrou em detalhes um almoço que teve com Putin durante o encontro dos BRICS. Mas faltou combinar com o russo, já que o almoço nunca aconteceu. Muito pelo contrário, o brasileiro foi o único dos presidentes do encontro que não teve uma reunião com o presidente russo - porque Putin não quis.

Comandante do Exército e a crise brasileira

Editorial do site Vermelho:

A mídia hegemônica não deu o destaque merecido, mas uma notícia importante desta semana foi a audiência pública, nesta quinta-feira (22), no Senado, com o general Eduardo Villas Bôas, comandante do Exército. Importante pela manifestação legalista, constitucional e patriótica do general ocupante daquele que no passado foi o Ministério do Exército.

O general constatou algo fundamental para avaliar o governo usurpador de Michel Temer: o Brasil não tem um projeto nacional, disse. Deixou de ter, poderia ter afirmado, pois o governo abandonou radicalmente qualquer veleidade de ênfase na soberania nacional e desenvolvimento do país.

'Reformas' de Temer e o novo colonialismo

Por Luís Eduardo Gomes, no site Sul-21:

Quais as consequências da reforma trabalhista para a classe trabalhadora? Essa foi a questão principal posta ao sociólogo Clemente Ganz Lúcio, atualmente diretor técnico do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese). Em uma conversa de cerca de 40 minutos na última semana, ele destacou que a legislação proposta pelo governo Temer altera drasticamente as relações de trabalho no Brasil, trazendo um efeito muito mais perverso e duradouro do que aqueles da sua irmã mais notória, a reforma da Previdência. Para ele, a permissão de que empresas contratem trabalhadores com contratos intermitentes, sem jornada definida, precariza de forma profunda a situação dos trabalhadores e, em vez de facilitar a geração de empregos, irá apenas tornar legal o que hoje é proibido.

sábado, 24 de junho de 2017

Greve geral: centrais desmentem a mídia

Por Altamiro Borges

Nos últimos dias, a mídia patronal fez de tudo para estimular a cizânia no sindicalismo com o objetivo de enfraquecer a greve geral marcada para 30 de junho. A revista Época, da famiglia Marinho, foi a primeira a difundir notícias falsas (“fakes”): “Após reabrir conversas com representantes do governo e ouvir apelos, Força Sindical e UGT desistiram de participar da greve geral. Os dirigentes das duas centrais acreditam que a greve se resumiria a um protesto ‘Fora, Temer’ e deixaria de lado questões que consideram importantes, como a reforma trabalhista e a da Previdência”, postou na semana passada.

Meirelles vai assaltar o seu FGTS?

Por Altamiro Borges

Nesta sexta-feira (23), em um evento promovido pela Câmara Americana de Comércio (Amcham), o czar da economia, Henrique Meirelles, confirmou que o covil golpista já estuda utilizar o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço para substituir o pagamento do seguro-desemprego. A ideia seria usar o saldo do FGTS e a multa de 40%, paga nos casos de demissão sem justa causa, para repassar três parcelas ao trabalhador desempregado. O "ministro" jurou que a medida está "em fase embrionária", mas é bom ficar esperto. "Existem discussões na área econômica do governo, seja no Ministério da Fazenda, seja no Ministério do Planejamento, seja em outras áreas em diversos níveis, sobre diversas coisas que possam induzir o país a voltar a crescer", afirmou o cínico Henrique Meirelles diante da eufórica cloaca empresarial presente ao evento – que ainda sonha em ter o rentista como presidente eleito de forma indireta pelo Congresso Nacional no caso do descarte do Judas Michel Temer.

Temer faz crescer vergonha de ser brasileiro

Por Ricardo Kotscho, em seu blog:

"A crise consiste precisamente no fato de que o velho está morrendo e o novo ainda não pode nascer. Nesse interregno, uma grande variedade de sintomas mórbidos aparecem" (Antonio Gramsci).

Quase metade da população (47%) tem vergonha de ser brasileiro: este é o dado mais dramático da nova pesquisa Datafolha sobre o governo Michel Temer. Em dezembro, este índice era de 27%.

Nem precisava fazer pesquisa. Basta andar pelas ruas e ver a cara das pessoas.

Certamente, contribuiu para este sentimento de vergonha o festival de vexames promovido por Temer na fracassada viagem à Europa. Nunca se viu nada igual na diplomacia brasileira.

Temer na Noruega: fiasco e humilhação

Da revista CartaCapital:

Acossado pela iminente denúncia de corrupção que será feita pela Procuradoria-Geral da República, o presidente Michel Temer fez nesta semana uma viagem internacional na tentativa de criar uma "agenda positiva". Após uma passagem inócua pela Rússia de Vladimir Putin, Temer chegou na quinta-feira, 22, à Noruega. A empreitada pessoal terminou em fiasco e humilhação internacional para o Brasil.

Nesta sexta-feira, 23, em compromisso oficial em Oslo, capital da Noruega, Temer se confundiu duas vezes na mesma frase e cometeu uma gafe. Ao agradecer a hospitalidade das autoridades locais no nome da primeira-ministra Erna Solberg, Temer afirmou que a visita, apesar de rápida, iria estreitar os laços entre os dois países, e mencionou que visitaria o "parlamento brasileiro" ao lado do "rei da Suécia", outro país escandinavo. Na realidade, Temer visitaria o parlamento norueguês ao lado do rei da Noruega, Harald V.

STF jura lealdade eterna aos corruptores

Por Paulo Moreira Leite, em seu blog:

Em bom momento o Supremo interrompeu a votação sobre delações premiadas, num debate que será retomado na quarta-feira.

Apesar do placar de 7 a 0, que indica uma maioria matemática já formada num plenário de onze ministros, a pausa pode inspirar uma reflexão necessária, que envolve uma questão essencial da democracia.

Por trás desse debate, não se discute uma forma mais eficaz de combater a corrupção - objetivo com o qual o país inteiro está de acordo, ainda que existam divergências naturais quanto aos métodos empregados.

Datafolha dá número “favorável” a Temer

Por Fernando Brito, no blog Tijolaço:

A pesquisa do Datafolha que o jornal publica hoje, ironicamente, deve estar sendo comemorada no Planalto.

Afinal – tudo é tão ridículo que só tratando com ironia – é muito mais do que os 3% que lhe deu a pesquisa Vox, há 20 dias, ou que os 2% registrados pelo Poder360, esta semana.

Depois, o jornal precisa estar “sintonizado” com quem o lê e, pela pesquisa que fez entre seus leitores, uma comunidade tão estranha em que 51% querem eleições indiretas – ao contrário do que (eles próprios admitem, na pesquisa de hoje) 83% dos brasileiros, que querem votar e eleger seu presidente.

Temer quer destruir a CLT e os sindicatos

Por Adilson Araújo, no site da CTB:

A contrarreforma trabalhista em tramitação no Senado é o mais sério golpe aos direitos e conquistas da classe trabalhadora já observado em nossa história. Nem mesmo o regime militar - apesar da violência e perseguições que promoveu - foi tão longe nos ataques à legislação que protege nosso povo trabalhador. A proposta dificulta o acesso dos assalariados à Justiça, permite o aumento da jornada, a redução de salários e benefícios e a precarização generalizada dos contratos.

A CTB considera os direitos trabalhistas inegociáveis. O projeto enviado pelo governo ao Congresso, sensivelmente piorado pelo relator Rogério Marinho, é inaceitável. Já a promessa de editar uma Medida Provisória com mudanças cosméticas em alguns pontos e a instituição de uma Contribuição Assistencial em substituição ao Imposto Sindical é um embuste, um canto de sereia com o qual o governo moribundo pretende desnortear e dividir o movimento sindical para melhor realizar o objetivo do golpe, que é destruir a CLT e os sindicatos.

A reforma trabalhista vai gerar empregos?

Por Juliane Furno, Christian Caldeira, Juliana Moreira, Euzébio Jorge e Ana Luíza Matos de Oliveira, no site Brasil Debate:

Em momentos de crise como o que estamos vivendo atualmente, costuma-se abrir um amplo debate social sobre a necessidade de reformas a fim de sanar problemas estruturais e solucionar os problemas de curto prazo. As principais reformas debatidas no Congresso Nacional –Previdenciária e Trabalhista – prometem o mesmo: reequilibrar a economia, gerar crescimento econômico e dotar os trabalhadores de garantias no futuro.

No caso da reforma trabalhista, veicula-se sua necessidade histórica justamente em um momento no qual o crescimento do número de trabalhadores desempregados figura como um dos principais problemas sociais.

Conselho de Ética "arquiva" Aécio

Por Cynara Menezes, no blog Socialista Morena:

Mais uma vez ficou comprovado que, em se tratando de denúncias envolvendo o PSDB, o verbo mais utilizado é “arquivar”: o presidente do Conselho de Ética e Decoro Parlamentar do Senado, senador João Alberto Souza (PMDB-MA), aproveitou a Casa vazia, em plena véspera de São João, para anunciar que ordenou o arquivamento da representação contra o senador Aécio Neves (PSDB-MG), afastado do mandato desde maio por decisão do Supremo Tribunal Federal. Se repetem o roteiro e a percepção de que os tucanos são inimputáveis.

A ofensiva fundamentalista na educação

Por Alceu Luís Castilho, no site Outras Palavras:

Duas notícias aparentemente díspares, na semana passada, tomaram as redes sociais. E apontam para uma mesma tendência: fundamentalismo. Ambas tratam de educação. Uma delas foi uma peça publicitária contra as ciências humanas – disfarçada de jornalismo – no principal jornal paranaense, a Gazeta do Povo. A outra, a decisão do Ministério da Educação de recolher 98 mil exemplares de um livro por considerá-lo “impróprio”.

Essa aliança específica entre imprensa tradicional e o governo de Michel Temer não é casual. Está ligada à ideologia da Escola Sem Partido, por um lado, ao esvaziamento da diversidade e da perspectiva crítica no ensino. Por outro, aponta para uma migração de determinada posição moralista, não somente religiosa, refratária a temas que os jornalistas paranaenses e a equipe do ministro da Educação, Mendonça Filho, julgam incômodos.

Mídia reconhece falta de provas contra Lula

Por Eduardo Guimarães, no Blog da Cidadania:

O que realmente espanta hoje no Brasil é a naturalidade com que o país está encarando a previsível condenação de Lula por Sergio Moro sem uma única prova.

Primeiro foi o próprio Ministério Público que, em suas alegações finais, admitiu não ter provas contra Lula.



Depois disso, alguns sites e blogs de direita e parte da grande mídia resolveram dar interpretações dúbias à confissão do Ministério Público de que não tem provas de que Lula recebeu um apartamento no Guarujá como propina por facilitar a vida da OAS em três contratos com a Petrobras.

sexta-feira, 23 de junho de 2017

Doria pode ser alvo de impeachment

Por Gabriel Valery, na Rede Brasil Atual:

A gestão do prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), direcionou uma agência contratada pela Ambev para que obtivesse vantagem em uma licitação pública para o carnaval de rua de 2017. A denúncia de favorecimento, veiculada no início do mês pela Rádio CBN, levou o vereador Toninho Vespoli (Psol) a pedir abertura de Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) na Casa, que já conta o mínimo de 19 assinaturas para que o pedido seja acolhido e submetido ao plenário.

"A conduta de um agente público que visa macular um procedimento licitatório atenta contra os princípios da administração pública e, também, contra a lei de improbidade administrativa", disse o vereador à RBA. De acordo com o edital que organiza o carnaval de rua na cidade, publicado durante a gestão de Fernando Haddad (PT), vence o processo licitatório a proposta que privilegie segurança, limpeza, banheiros químicos e ambulâncias. Com Doria, não foi assim que funcionou.

Globo mete a mão na grana até pela Rouanet

Por Paulo Nogueira, no blog Diário do Centro do Mundo:

Um ministro de Geisel uma vez disse o seguinte num despacho para seu chefe: “Os jornais não vivem e nem sobrevivem sem o governo”.

Isto, segundo ele, era uma arma poderosíssima que a administração Geisel devia usar em sua relação com a imprensa.

Roberto Marinho, disse ainda o ministro, era mestre em pedir “favores especiais” a Geisel por conta do apoio que dava à ditadura.

Tudo isso está no livro Dossiê Geisel, feito com base em documentos pessoais de Geisel doados à Fundação Getúlio Vargas.

Nem de Lula ou da OAS: triplex é da Caixa

Por Cíntia Alves, no Jornal GGN:

A defesa do ex-presidente Lula apresentou, durante coletiva de imprensa em São Paulo, o teor das alegações finais sobre o caso triplex, cujo prazo para entrega ao juiz Sergio Moro termina nesta terça (20). Durante a exposição, o advogado Cristiano Zanin revelou que encontrou novas provas de que "nem Léo Pinheiro, nem a OAS tinham a disponibilidade do imóvel para dar ou oferecer a quem quer que seja".

Isso porque, desde 2010, o triplex, assim como os demais apartamentos do Condomínio Solaris, no Guarujá, foi entregue pela OAS a um fundo controlado pela Caixa Econômica Federal. Como nenhum depósito foi feito em conta bancária sinalizada pela Caixa, o triplex não foi liberado a ninguém, muito menos a Lula.